como organizar uma viagem para a patagônia argentina

Como organizar uma viagem para a Patagônia Argentina

Tempo estimado de leitura: 10 min

Organizar uma viagem para a Patagônia Argentina não é tão trivial. A região é pouco habitada e alguns serviços precisam ser pensados com antecedência.

Por isso preparamos esse post especial com todas as dicas para você organizar a sua viagem e aproveitar o melhor que essa região tem a oferecer.


Índice do post:

O que é a Patagônia?

A Patagônia é a uma região da América do Sul que envolve uma grande parte da Argentina e do Chile.

roteiro patagônia argentina no verão

É pouca habitada o que permite encontrarmos paisagens quase intocadas. Destino perfeito para os amantes de viagens em contato com a natureza.

Para você ter uma ideia de quão pouco habitada é essa região, a densidade demográfica estimada em 2016 era de 2,35 habitantes/km²! Ou seja, menos de 3 pessoas ocupam uma área maior que 90 campos de futebol!

Possui um clima muito seco, com algumas regiões desérticas. Nas áreas mais próximas da Cordilheira dos Andes encontramos algumas florestas temperadas.

Como explicamos no post dos roteiros da Patagônia acabamos por ter duas regiões patagônicas: a Patagônia Argentina e a Patagônia Chilena. A cordilheira dos Andes separa essas duas regiões.

Nesse post falaremos especificamente de como organizar uma viagem pela Patagônia Argentina.

Idioma

Na Patagônia, assim como em toda argentina (e outros países da América do Sul), o idioma é o espanhol.

Mas ressalto que o espanhol argentino é um pouco diferente dos demais e, principalmente, diferente do espanhol da Espanha. Nada impossível de entender ou se adaptar.

O inglês é muito utilizado na Patagônia. Nas hospedagens, restaurantes e passeios em geral, sempre tem alguém que fale inglês. Afinal, essa região recebe turistas do mundo todo.

Se você não fala nem espanhol, nem inglês, não se desespere! Existem aplicativos de celular como o Google Tradutor, que funcionam super bem nessas horas!

Como chegar à Patagônia Argentina?

flight-sky-clouds-fly.jpg
Foto por Tookapic em Pexels.com

A melhor forma (ou a mais cômoda) de chegar à Patagônia Argentina saindo do Brasil é de Avião.

Não existem voos diretos para El Calafate ou Ushuaia desde o Brasil. Todos esses destinos exigem uma parada em Buenos Aires.

Mas essa parada não é de toda ruim! Na verdade, ela pode ser muito útil para aproveitar um stopover de 2 a 3 dias na capital argentina.

Essa foi justamente a nossa escolha. Paramos 3 noites em Buenos Aires e depois seguimos para El Calafate e Ushuaia.

Apesar de avião ser a forma mais fácil, também é possível fazer esse percurso de carro. As distâncias são longas, as estradas não são muito boas e não possui muito movimento.

Mas possui a vantagem de poder combinar várias cidades, inclusive misturar os roteiros da Patagônia Argentina com Patagônia Chilena.

Contudo, para chegar até Ushuaia terá que passar pelo chile! Não existe estrada diretamente da Argentina para Ushuaia. Essa mudança de país “bobinha” irá encarecer a viagem já que as locadoras cobram uma taxa se você tiver que mudar de país.

Além disso, seu percurso ainda encontrará travessias de balsa e poucos postos de combustíveis pelo caminho. Por isso poucas pessoas encaram esse roteiro de carro. Ainda assim não é impossível, nem inviável.

Melhor época para visitar a Patagônia Argentina

Importante saber que a Patagônica como um todo, muda drasticamente toda a sua estrutura nas épocas de inverno e de verão.

Muda o clima, a paisagem e, inclusive, os passeios e as atrações.

Muitos passeios possíveis de fazer no verão, não funcionam no inverno. E vice-versa.

Portanto, a melhor época para visitar a Patagônia Argentina vai depender do que você espera para a sua viagem 😉. Por isso esse tema é tão importante para organizar uma viagem para a Patagônia Argentina.

Se você gosta de dias longos e sol, o verão deve ser a sua escolha. Chega a ter 18 horas de sol no verão no sul da Patagônia!

Para vocês terem uma ideia, nos nossos dias por lá o sol nascia umas 5:30 da manhã e dava 10 da noite ainda estava claro! Tanto em El Calafate quanto em Ushuaia fizeram dias lindos de sol.

A temperatura média fica na casa dos 10ºC mas a sensação térmica pode ser mais baixa devido aos fortes ventos Patagônicos.

Nós pegamos desde dias agradáveis onde apenas um casaco tipo moleton resolvia bem, até dias de sensação termina de -7ºC, com ventos cortantes.

Nessa época o foco são as trilhas, caminhadas e passeios de barco.

Entretanto, no verão temos a altíssima temporada. Hospedagens mais caras e dificuldades de conseguir vagas nos restaurantes mais recomendados.

Para visitar a Patagônia Argentina nessa época, programe-se com bastante antecedência.

se você estiver em busca de neve, deve visitar a Patagônia Argentina no inverno. Contudo você irá encontrar apenas 7 horas de sol no dia mais curto do ano.

Os ventos diminuem nessa época do ano, dando lugar a neve. A temperatura média fica na casa dos 3ºC. E o foco são as atividades de neve.

Durante o inverno, muitos restaurantes e agências de turismo ficam fechados devido à baixa procura, já que a galera que viaja nessa época acaba se hospedando nos centros invernais.

Documentação necessária

como organizar uma viagem para a Patagônia argentina
Foto por Vinta Supply Co. | NYC em Pexels.com

Para ingressar na Argentina, os turistas brasileiros não precisam de visto e podem ficar no país por até 90 dias.

Também não é obrigatório o passaporte, já que os dois países fazem parte do acordo do Mercosul. Mas se você tiver um passaporte é legal levar para colecionar os tão famosos carimbos 😊

Se você não tiver passaporte, pode entrar na Argentina com o RG (identidade). Mas atente-se que o RG deve estar em bom estado de conservação, com a foto atualizada (identificando bem a pessoa) e todas as informações tem que estar legíveis.

Certidão de Nascimento, carteira de motorista e carteiras de registros profissionais não são aceitas. Mesmo as crianças devem apresentar o RG (ou o passaporte).

Provavelmente você já ouviu falar que o RG para entrar na Argentina e nos outros países do Mercosul tem que ter até 10 anos de validade. Mas acredite: essa informação é um mito!

Para confirmar, basta verificar no próprio documento do “ACORDO SOBRE DOCUMENTOS DE VIAGEM DOS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL E ESTADOS ASSOCIADOS”, disponível na página de Turismo do Mercosul.

O Texto é o seguinte:

“O prazo de validade dos documentos do Anexo será o estabelecido nos mesmos pelo Estado emissor. No caso de não possuir data de vencimento, entender-se-á que os documentos mantêm sua vigência por prazo indeterminado.”

Portanto, verifique o seu RG. Ele possui validade? Provavelmente não! O meu RG nunca teve validade, mesmo o tendo tirado inicialmente com 13 anos de idade (e uma baita cara de criança). Já o RG da minha filha possui validade, mas não de 10 anos. A validade é até ela completar 18 anos.

Inclusive, pelo mesmo texto acima, concluímos que o passaporte também não entra na regra dos 6 meses de validade (também muito divulgada).

Para dirigir será necessária, também, a apresentação da CNH válida.

Fuso Horário na Patagônia Argentina

business-time-clock-clocks-48770.jpeg
Foto por Pixabay em Pexels.com

As cidades de Buenos Aires, El Calafate e Ushuaia estão todas no mesmo fuso horário. Desse modo, não é necessário ajustar os relógios para percorrer um roteiro pelo país.

De maneira geral, também não há fusos entre o Brasil (seguindo o horário de Brasília) e as cidades da Argentina.

Porém, quando o Brasil está no horário de verão, a diferença de fuso é de 1 hora a menos na Argentina. Já que a Argentina não adota o horário de verão.

Por isso, se você visitar a Patagônia Argentina no verão, como nós, terá um fuso horário de 1 hora a menos que no Brasil.

Roteiro pela Patagônia Argentina

A região da Patagônia é muito grande e vários roteiros são possíveis.

Nós fizemos uma seleção dos roteiros mais comuns no nosso post de Roteiros pela Patagônia.

Mas aqui vamos contar um pouco mais sobre o roteiro que fizemos pelo Sul da Patagônia Argentina.

O roteiro dia a dia de cada cidade virá em posts específicos. Aguardem 😉

Nós escolhemos conhecer as Cidades de El Calafate e Ushuaia.

El Calafate é super charmosa, linda, graciosa. Um encanto de cidade.

Fica a 3 horas e 15 minutos de voo de Buenos Aires e serve como base para visitar o Perito Moreno, um dos mais famosos Glaciares.

De El Calafate também saem as excursões e passeios para visitar Torres del Paine, na Patagônia Chilena.

Veja nosso Guia de El Calafate e também se encante com essa cidade.

Ushuaia, ou Tierra del Fuego, é uma cidade portuária, mais rústica. Localizada a pouco mais de 1 hora de voo a partir de El Calafate e 3 horas e meia de Buenos Aires.

Embora tenha paisagens de tirar o fôlego, sua fama se deve principalmente por ser a cidade mais Austral do mundo, também conhecida como “Fim do mundo”.

Outro ponto que aumenta o interesse por Ushuaia é a navegação pelo Canal de Beagle, canal esse que faz a ligação entre os Oceanos Atlântico e Pacífico.

Descubra Ushuaia e conheça o “Fim do mundo”.

Recomendo pelo menos 4 noites em cada uma dessas cidades para poder aproveitar os melhores e mais famosos passeios. Se puderem ficar 5 noites em cada uma sua viagem será bem completa.

Como se vestir na Patagônia

pexels-photo-712877.jpeg
Foto por Kristina Paukshtite em Pexels.com

Esse é um item muito importante na organização de uma viagem para a Patagônia Argentina, já que a região é bem fria mesmo no verão.

Como a temperatura pode variar bastante no decorrer do dia, e as atividades de caminhada também esquentam o corpo, a recomendação é se vestir em camadas.

Vale sempre dar uma olhadinha em aplicativos de clima, como o accuweather e verificar a temperatura nos dias da sua viagem. Também é importante se vestir de acordo com as atividades do dia.

Nos dias de caminhada e trilhas usamos uma blusa mais fina ou de manga curta junto ao corpo, seguida de um casaco estilo plush ou moleton. E por cima um casacão grosso, corta vento, bem quentinho que tirávamos no decorrer das atividades.

Também usamos meias-calças fio 50 ou 70 com legging por cima.

Para os pés meias de caminhada e botas de trilhas. Isso foi o suficiente para nos mantermos aquecidos e confortáveis.

Em alguns dias com menos vento, especialmente em El Calafate, chegamos a utilizar apenas o moleton, sem a necessidade do casacão grosso.

Já nos dias de passeio de barco, principalmente em Ushuaia – quando o accuweather acusava sensação térmica de -7ºC – foi necessário incluir blusas e calças térmicas.

Se for fazer caminhadas no gelo e/ou trekking no Perito Moreno, não se esqueça de botas, calças e luvas impermeáveis.

Não deixe de levar luvas, gorro e cachecol (ou protetor de pescoço) em todos os seus passeios. Nunca se sabe quando os ventos patagônicos darão o ar da graça.

Se você não tiver muitas roupas específicas para o frio ou se o frio for maior do que esperava, na região existem lojas que alugam roupas de inverno.

Mas não recomendo chegar sem nada contando com esse aluguel de roupas de inverno! Para sair do aeroporto você precisará estar aquecido, principalmente porque muito voos descem na própria pista.

Como a região é bem seca, também recomendo hidratante para o rosto e para os lábios e spray de soro para o nariz. Óculos de sol ajudam a proteger os olhos do reflexo da luz solar no gelo.

E não se engane com o vento frio. O sol é forte e queima! Use protetor solar sempre!

Como se locomover na Patagônia Argentina

Tanto El Calafate quanto Ushuaia não são cidades grandes. É possível caminhar pelos centrinhos e visitar os pontos turísticos das cidades a pé, com pequenas caminhadas.

Mas as maiores e mais famosas atrações se localizam bem longe do centro. E as melhores hospedagens também são mais afastadas.

Vai por mim: estar de carro é o ideal!

Nós não alugamos carro pois quando definimos nossa viagem as opções de aluguel já estavam escassas e caras.

Por conta de ficar sem carro, tivemos que buscar hospedagens mais centrais que, em algumas situações, não nos agradaram plenamente. Se estivéssemos de carro, nossas possibilidades seriam bem maiores.

Em El Calafate, por exemplo, não existe ônibus de linha. A única forma de você chegar ao Perito Moreno sem carro é com uma empresa de turismo. (A não ser que queira encarar ficar pedindo carona na estrada, mas nunca vi ninguém fazer isso com crianças).

Estar sem carro não nos atrapalhou ou impediu de fazer nossos passeios. Mas com certeza teríamos aproveitado mais, explorado mais, e tido mais conforto se estivéssemos de carro.

Onde se hospedar

El Calafate e Ushuaia são cidades muito bem servidas de opções de hospedagem. Ambas possuem opções para todos os gostos e bolsos.

Encontramos desde hotéis 5 estrelas com spa, cabanas charmosas com lindas vistas, até pousadas mais simples e hostels.

Entretanto, as opções que mais me agradaram estavam longe do centro das cidades. E como comentei anteriormente, estávamos sem carro ☹

Então, a nossa dica principal na escolha da hospedagem é já saber de antemão se estarão com carro alugado ou não.

Se estiverem com carro alugado, podem procurar hospedagens com maior infraestrutura ou cabanas charmosas mais afastadas do centro.

Mas se estiverem sem carro, recomendo fortemente ficar na região mais central. Essa localização é excelente para turistar a pé.

E não se esqueça de fazer as reservas com antecedência. A procura é grande, principalmente na alta temporada (verão) e as vagas acabam muito rápido.

Reserva de passeios e atrações

A escolha e reserva dos passeios é um outro item que deve ser avaliado com antecedência para organizar uma viagem pela Patagônia Argentina.

A quantidade de passeios e atrações pode fazer diferença na definição de quantos dias ficar nas cidades.

Além disso, alguns passeios apresentam pouca disponibilidade de vagas e na alta temporada (verão) isso pode não ser muito legal.

Nós não chegamos a deixar de fazer nenhum passeio por ter definido a viagem para a Patagônia Argentina com pouco tempo. Mas perdemos horários que seriam mais cômodos para nós.

Mas isso só foi possível pois logo que definimos a viagem já comecei a fazer a reserva das principais atrações.

Conselho de amiga: já faz a avaliação dos passeios que quer fazer e quando definir o roteiro fecha essas reservas. 😉

Câmbio/Dinheiro

Câmbio é um assunto muito importante no planejamento de uma viagem para a Patagônia Argentina! Tanto em El Calafate quanto em Ushuaia não existem muitas opções de casas de câmbio que aceitem Real.

A moeda utilizada em toda a Argentina é o Peso Argentino. No início de 2019, 1 Real equivalia a, aproximadamente, 10 Pesos Argentinos.

Em Buenos Aires é fácil trocar Reais por Pesos e alguns estabelecimentos até aceitam o pagamento em Reais. Mas na Patagônia não é tão simples assim.

Como toda viagem para a Patagônia Argentina vai exigir uma escala em Buenos Aires, o ideal e recomendado é fazer a troca de moedas no próprio aeroporto, no Banco de La Nación.

O Banco de La Nación não cobra taxas e o câmbio é considerado um dos melhores (exatamente 9,80 Pesos por Real no momento em que escrevo esse post).

Se você for passar alguns dias em Buenos Aires, pode até encontrar locais com câmbio mais interessante. Mas eu não encontrei. Nós conseguimos trocar no aeroporto por pouco mais de 9 Pesos por Real e encontrei casas de câmbio em Buenos Aires fazendo a troca a 6 Pesos por Real!

Apesar de ter encontrado estabelecimentos em El Calafate aceitando Reais e fazendo a conversão de 9 Pesos para cada 1 Real, isso é raridade. O Dólar é até bem aceito, mas o Real não.

Se não for possível trocar Real no aeroporto de Buenos Aires, ou se quiser levar um dinheiro a mais para garantir, leve Dólar.

Não deixe de levar também um cartão de crédito internacional habilitado para uso no exterior. Ele será muito útil para alguma emergência.

Antes da viagem li várias informações de que na Patagônia Argentina é difícil encontrar estabelecimentos que aceitam cartão de crédito. No entanto nós não tivemos nenhuma dificuldade. Em todos os locais que optamos por fazer o pagamento em cartão, essa forma de pagamento foi muito bem aceita.

Tomada/Energia Elétrica

Poucas pessoas prestam a devida atenção a esse item do planejamento de viagem. E acabam chegando ao destino e descobrindo que precisam de um adaptador para carregar seus eletrônicos.

O padrão Argentino é 220V e com pinos chatos inclinados. Mas algumas tomadas possuem 2 furinhos que permitem o encaixe das tomadas no padrão brasileiro.

como organizar uma viagem para a patagônia argentina

Porém não temos como saber de antemão se a nossa hospedagem terá essa possibilidade (a não ser que entre em contato e pergunte).

A nossa experiência é de que hospedagens mais novas possuem a tomada já adaptada ao padrão brasileiro. Porém hospedagens mais antigas (ou mais simples) não estão preparadas. Nesse caso, o adaptador de tomada será necessário.


Ufa! Post completão para você organizar uma viagem para a Patagônia Argentina. Ficou com alguma dúvida? Tem algum item que não abordamos e você gostaria de saber? Deixe suas dúvidas/sugestões nos comentários e teremos maios prazer em te ajudar. 😊

*Esse é um blog independente e todas as opiniões, recomendações e sugestões são baseadas em experiência própria.*

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.